Tudo que você precisa saber para investir em ações sem medo

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
investir em ações

Investir em ações demanda conhecimento, pois só assim é possível fazer isso sem medo. Por isso, criamos esse texto para você entender como esse mercado funciona. 

A grande variedade de estratégias e métodos de negociações podem confundir investidores de primeira viagem. Aqui, você vai encontrar informações básicas para começar a investir em ações e ir pegando a prática aos poucos. 

Pronto para entrar no mercado de ações? Então, continue lendo esse texto e tire todas as suas dúvidas! 

O que são ações?

Toda grande empresa tem seu capital divido em pequenas partes, que são chamadas de ações. Uma parcela das ações pertence aos sócios, enquanto a outra pertence aos empreendedores. Também é possível que exista uma terceira parte, negociada na bolsa de valores. 

Neste caso, os investidores podem comprar e vender as ações. Ao comprá-la, este investidor se tornará um acionista da empresa. 

Em ações de companhia aberta, os investidores têm como objetivo compartilhar os ganhos que essa empresa conquista. Esse processo pode ser feito de duas formas. A primeira é quando a empresa distribui seus dividendos, ou seja, parte de seus resultados. Os investidores serão pagos de acordo com o número de ações que cada um deles possui. 

Você também pode aproveitar a valorização de ações. Elas acontecem com o tempo e de acordo com o crescimento da empresa e as movimentações do mercado em que ela está inserida, além da economia em geral. 

Sendo assim, uma boa dica é investir em ações por um determinado valor e vendê-las depois de um tempo por um preço mais elevado. 

Quais são as estratégias para investir em ações?

Assim como em investimentos de renda fixa, existem diversas formas de investir em ações. Para escolher qual delas está mais alinhada com os seus objetivos, é necessário descobrir o seu perfil de investidor, além de analisar suas metas, o momento que o mercado está vivendo e as condições que ele impõe. 

Veja algumas estratégias mais comuns para investimentos de renda variável:

Day trade 

Como o próprio nome já diz, day trade é a operação que unifica a compra e a venda de uma ação no mesmo dia. Por isso, também é chamada de negociação de curtíssimo prazo. 

A liquidação de um day trade é totalmente financeira. Isso acontece porque as ações não transitam pela carteira de custódia do investidor. Na maioria das vezes, quem negocia deixa a alavancagem de lado, ou seja, opera com um valor maior do que realmente tem. Essa é uma estratégia para aumentar os ganhos. 

Em comparação com outras formas de compra e venda de ações, o day trade costuma ter taxas mais baratas e tributação mais vantajosa para o bolso do investidor. 

Curto prazo 

Os investimentos de curto prazo são aqueles que variam de dias até um ano. A técnica mais comum para fazer aplicações de curto prazo é a swing grande. 

É necessário acompanhar o mercado constantemente, mesmo que a compra e venda de ações não seja realizada em um dia. Essa tática é importante porque, neste caso, uma boa estratégia significa encontrar oportunidades vantajosas no menor tempo possível. 

Investimentos de curto prazo são famosos na bolsa de valores e são uma boa escolha para investidores iniciantes ou experientes. Porém, é importante priorizar ações com uma liquidez maior. Assim, é mais fácil vendê-las antes do prazo final do investimento. 

Longo prazo 

Quem se interessa por investimentos com certeza já ouviu que investir em ações a longo prazo é mais vantajoso. Essa afirmação é verdadeira e tem um motivo para que ela seja real. 

Como vimos no começo do texto, quando o investidor compra uma ação, ele está se tornando sócio da empresa, certo? Sendo assim, ele irá ganhar de acordo com o aumento de faturamento e desenvolvimento do negócio. Essas questões demoram um certo tempo para acontecer. 

Além disso, o valor das ações também podem ser alterados de acordo com as mudanças de mercado. Por isso, grandes acontecimentos têm impacto direto nas cotações, fazendo com que elas aumentem ou diminuam. 

Vamos supor que um governante fez uma declaração negativa sobre determinada empresa. Suas ações podem cair de 5% a 10% em questões de horas. Isso não quer dizer que a organização nunca mais fará parte de uma boa estratégia, e sim que houve uma ação externa que impactou seu valor de mercado. 

Levando em consideração a situação do investidor, a melhor coisa a fazer é esperar que essa onda baixa passe. Em algumas semanas, o preço irá se recuperar. Porém, se precisar de dinheiro a curto prazo, é provável que o investidor tenha que embolsar o prejuízo. 

Para quem prefere operar a longo prazo, uma ótima técnica é a position trade. Nela, as posições das ações são mantidas por um período de tempo maior. Caso você não tenha tempo de se dedicar aos investimentos todos os dias, essa também pode ser uma ótima forma de acompanhar a bolsa de valores.

Dividendos 

Os dividendos também são uma ótima maneira de ganhar ao investir em ações. Esse tipo de investimento pode ser usado por quem tem planos de viver de renda operando na bolsa de valores, ao invés de títulos públicos ou aplicações em renda fixa. 

Outro objetivo para o valor adquirido ao investir em ações de dividendos é aplicá-lo novamente na compra de mais ações. Obviamente, isso irá variar de acordo com o seu objetivo. 

Antes de escolher a empresa de quem você irá comprar as ações de dividendos, analise se a organização está bem estabelecida no mercado em que atua, apresenta crescimento constante de receita e não tem uma grande necessidade de investimentos. Geralmente, essas são as melhores empresas para se comprar esse tipo de ações. 

Um bom exemplo são empresas distribuidoras do setor elétrico. Seu faturamento é proveniente do pagamento das contas de luz, que tem seu valor reajustado de tempos em tempos. Por já atenderem a maioria das localizações, não precisam realizar grandes investimentos, podendo oferecer mais rentabilidade para os acionistas. 

Como escolher antes de investir em ações?

Depois de descobrir quais são as melhores estratégias para investir em ações, você deve estar se perguntando como escolher quais delas são as mais vantajosas, não é mesmo?

Para conseguir investir em ações sem medo, é preciso fazer uma análise das oportunidades. Essa avaliação vai te ajudar a prever o valor futuro da ação, fator que deve ser levado em consideração antes de fazer sua escolha. 

Dentro do mercado de ações, existem dois tipos de análise que podem te ajudar no seu processo de decisão. Confira mais detalhes sobre cada uma delas:

Análise técnica 

Aborda o gráfico de preços de uma determinada ação, partindo do princípio que lá estão as principais informações e percepções de analistas, investidores profissionais, pessoas físicas e todo o mercado. Sendo assim, seu padrão e comportamento futuro estarão nas curvas do gráfico de cotações. 

O tipo de gráfico que o investidor deve analisar pode mudar de acordo com sua estratégia. Investidores de longo prazo devem se atentar a gráficos semanais ou mensais, por exemplo. 

Os gráficos são feitos por analistas. Esses profissionais apontam suportes e resistências nestes documentos. O suporte é quando existe um ponto de baixa em uma ação, mas que tende a se transformar em alta. Por isso, ele é conhecido como um bom ponto nas compras de ações. 

A resistência é o movimento contrário, ou seja, quando um ponto de alta para de subir e começa a cair. Ela representa um bom momento para venda de ações. 

Análise fundamentalista 

Já a análise fundamentalista leva em consideração características financeiras de uma empresa para prever o valor de suas ações. Essas características podem ser perspectivas de crescimento, fluxo de caixa, risco, entre outras. Dessa forma, o investidor é capaz de optar por ações que apresentem ganhos melhores no futuro, além de evitar a compra de papéis que estejam cotados a um valor muito próximo do potencial. 

A análise fundamentalista utiliza duas abordagens principais. A primeira é a top down, onde o valor sofre influência direta de fatores macroeconômicos. Alguns exemplos são inflação, juros e taxa de desemprego. Essas e outras questões afetam o desenvolvimento da empresa, e por isso, a decisão de compra de ação deve ser pensada levando em consideração informações amplas antes de projeções detalhadas. 

Porém, a análise bottom up avalia fundamentos individuais de cada organização, como modelo de negócio, governança corporativa e perspectivas de crescimento. Dessa forma, quanto melhores forem essas características, maiores são as chances da empresa apresentar um bom desenvolvimento, independentemente da economia estar em um bom ou mau momento. 

Investir em ações é caro?

A maioria das ações são negociadas em lotes de 100. Isso significa que para adquirir uma ação que custe R$30, você precisa investir R$3000. Mas, também é possível comprar pequenas quantidades de ações no mercado fracionário. Nesse caso, elas são negociadas de forma individual e não em lotes. 

E ai, pronto para começar a investir em ações? Se você está interessado em investir em outros ativos, como pedras preciosas, imóveis, ou até mesmo em empresas e startups, conte com a ajuda da D3x! Converse com um dos nossos Sponsors e comece a poupar para realizar os seus sonhos!